Qual rede social faz mais sentido para o seu negócio?

Facebook? Twitter? Google +? Pinterest? Veja como garantir que você dedique recursos para as plataformas certas para o seu negócio.

Um amigo no Facebook recentemente partilhou uma charge do Noise to Signal mostrando um par de colegas de trabalho ponderando sua estratégia social: “Então, nós aplicamos o nosso orçamento em uma estratégia do Foursquare, a qual abandonamos para ir atrás de uma estratégia do Instagram, que optamos por derrubar para prosseguir em uma estratégia do Pinterest. Estou começando a pensar que o que realmente precisamos é de uma estratégia de estratégia “, dizia a legenda do desenho animado. Penso que a charge, feita por Rob Cottingham, tocou em um problema que muitas organizações estão enfrentando hoje: com tantas plataformas de redes sociais por aí, e com as novas plataformas mudando o cenário em um ritmo vertiginoso, onde você deve aplicar os seus recursos que, provavelmente, são limitados? Facebook? Twitter? LinkedIn? Pinterest? Google +? É melhor apostar em uma ou duas plataformas ou espalhar suas fichas em todos eles e ver qual é o melhor? Assim como o recado passado pela charge, é importante desenvolver uma “estratégia da estratégia” social. No centro de qualquer decisão sobre estratégia social é relevante, de acordo com Jason Raça, cofundador da http://www.Hashtagsocialmedia.com, “é preciso saber qual é o seu propósito social. Caso contrário, você estará simplesmente se movendo por causa da nova moda (apostar no social business).” As organizações devem pensar sobre o que é relevante para o negócio e o que é relevante para o cliente, aconselha. “Como qualquer investimento, iniciativas sociais têm que impactar o negócio – chama-se novos leads, inteligência competitiva, a eficácia da cadeia de suprimentos, etc. Tente descobrir o melhor canal para isso, não o contrário”, diz. “Não importa você criar uma página no Facebook, enquanto os seus clientes estão reclamando no Twitter.” As organizações precisam saber não apenas em que plataforma social está os seus clientes, mas também o que eles estão fazendo enquanto estão conectados. Joellyn Sargent, diretor de marketing e gestão da BrandSprout, oferece este exemplo: se você sabe que seus clientes estão gastando muito tempo no Facebook, mas sabe que eles usam a plataforma principalmente para manter contato com amigos próximos, esse pode não ser o melhor local caso queira fazer algo com mais de um foco B2B. “Depois escolha uma ou duas plataformas que se alinham com os seus padrões de uso dos clientes”, diz Sargent. “Independente de qual você escolher, dedique-se a aprender a usar bem essas plataformas.” Também é importante estar ciente de que certas plataformas de redes sociais tendem a ser melhores para determinadas aplicações. Por exemplo, uma empresa que fabrica brinquedos ou roupas femininas pode querer uma reivindicação no Pinterest, cujo público é essencialmente feminino. Kate Hutchinson tem focado sua presença de mídia social no Twitter. “Com o tempo, eu realmente percebi que o foco de nossa presença no Twitter estava certo, porque eu acho mais engajamento lá, e ele tem a plataforma mais aberta para pesquisar e encontrar novas conversas que podem ser interessantes para a minha empresa participar”, diz. Hutchinson trabalha com outras plataformas sociais, mas de uma forma muito concertada e estratégica, com base nos pontos fortes de cada uma das redes e no que cada uma pode oferecer. “O LinkedIn eu uso como um diretório da empresa, acrescentando as nossas ofertas de produtos, bem como cross-posting no blog e para procurar potenciais parceiros”, diz ela. “O Google + é melhor para o compartilhamento de conteúdo simples. É uma rede muito menor, por isso se concentra menos esforços lá, mas eu definitivamente trabalho para compartilhar o conteúdo do blog da empresa e as páginas de novos produtos. A vantagem do Google + é o poder de indexação e da influência em rankings de busca. Já o Facebook eu acho que é uma rede completamente diferente para as ofertas da minha empresa. Nós focamos em PMEs e empresas B2B.” Assim como você precisa selecionar a rede certa para sua empresa, você também precisa desenvolver com cuidado a presença em cada uma. Como observa Hutchinson, alguns sites irão garantir mais (ou menos) presença de atividades como participação em conversas com os clientes. Mas você também tem que estar ciente de que tipo de conteúdo trabalha para cada site. Em outras palavras, o que você posta no Facebook pode não fazer sentido no Twitter e vice-versa. “Há redes definitivamente sociais que são tão semelhantes que você pode duplicar esforços e ignorar a personalização, mas quando se trata dos grandes, ter um conteúdo personalizado pode significar muito mais do que apenas usar a mesma mensagem de mídia social em várias plataformas”, diz Denise Keller, diretora de operações e gerente de iniciativas sociais da E-mail Benchmark, empresa de serviço de e-mail marketing. “Em algumas maneiras, é como cartas de mala direta. Você pode enviar uma mala direta a milhares de pessoas, personalizado com seu nome e negócio, mas mais no final provavelmente pode dizer que é um e-mail em massa, mesmo que você coloque algumas informações individualizadas. Você não tem que criar conteúdo personalizado cada vez que você postar nas grandes redes sociais, mas você deve criar e publicar alguns conteúdos em uma base frequente. ” informationweek

Anúncios

Tags:, ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: